A especialização para a saúde estética do século XXI

O perfil do século XXI aponta a necessidade de que os profissionais da área elevem seu conhecimento ao nível Aisthesis, com avaliação precisa e global do cliente

A chegada do século XXI trouxe consigo muitos desafios e dilemas para a formação profissional, exigindo melhor desempenho e mais eficiência. Isso é evidente em todas as áreas, mas, quando esse conceito é trazido para o universo da saúde estética, ele assume algumas características específicas que contextualizam as necessidades da sociedade moderna à especialização do profissional, mostrando a necessidade de elevar seu conhecimento a fim de ter como base para o seu trabalho uma avaliação precisa do cliente como um todo, visando um tratamento global e personalizado.

Analisando ainda de forma mais abrangente, percebe-se que o atual cenário é fortemente marcado pelo progresso tecnológico e pela importância dada à informação, afinal, vive-se a chamada era do conhecimento. Junto a isso, também a competência e preparação técnica dos profissionais têm sido colocadas sob pressão. A partir daí, um dos principais questionamentos é sobre como deve ser a preparação do profissional de saúde estética do século XXI para lidar com essa nova realidade, de modo que o conhecimento teórico e o prático caminhem lado a lado e, principalmente, que isso tudo esteja integrado à rotina de cada cliente.

Dessa forma, tudo o que até então poderia ser considerado como diferencial no mercado de trabalho, assume um novo papel dentro de uma boa atuação profissional. A necessidade de qualificação, por exemplo, se tornou imprescindível, e o que diferencia esses profissionais um do outro vai muito além da formação, o que requer estratégias focadas, mas com soluções abrangentes. Uma alternativa é direcionar sua linha de atuação para tratamentos cada vez mais especializados e personalizados, pois o valor do profissional no mercado passa a ser definido a partir de características de seu perfil, como dinamismo, criatividade e atitude empreendedora.

Essa abordagem da área estética também se adequa bem à visão do conceituado escritor, professor e consultor administrativo, Peter Drucker. Segundo ele, que é considerado o pai da administração moderna, a sociedade do conhecimento coloca a pessoa como ponto central, exigindo do profissional a preparação adequada para atuar de acordo com esse novo contexto de mercado. Um dos conceitos defendidos por Drucker é de que o conhecimento não reside em livros, banco de dados ou até mesmo nos modernos softwares. Para o autor, esses são apenas recursos responsáveis por reunir as informações, afinal, o conhecimento é de responsabilidade das pessoas, tanto em seu estágio de produção, desenvolvimento, aperfeiçoamento, aplicação ou transmissão, seja ele bem ou mal utilizado por elas.

E o que se observa é que a presença de ferramentas tecnológicas tem crescido inclusive entre o mercado estético, pois além de representar uma evolução do pensamento e uma praticidade a mais no dia a dia de trabalho desses profissionais de saúde estética do século XXI, proporciona soluções mais inovadoras e eficazes. Sob esse ponto de vista a tecnologia realmente se tornou um fator de diferenciação dentro da compreensão do ambiente e de todos os fatores que nele interagem, refletindo no trabalho e nos resultados alcançados pelo trabalho do profissional. Por isso as melhores empresas do ramo já mostram seus investimentos nesse segmento, proporcionando aos que atuam nesse meio os recursos tecnológicos que farão com que se destaquem no mercado. Um exemplo são os softwares para avaliação e realização do prontuário estético do cliente.

Século XXI e o profissional Aisthesis
No que tange a área de saúde estética e o século XXI, percebe-se a necessidade de que o profissional esteja preparado e entenda que as alterações inestéticas devem ser encaradas a partir de um contexto emocional, mental, espiritual e físico para que, dessa forma, possa adequar o atendimento aos clientes que apresentam as síndromes das desarmonias estéticas a toda a evolução científica e tecnológica que vem sendo vivenciada nos últimos anos, buscando sempre atender às necessidades e expectativas do consumidor da melhor maneira possível.

Com isso, o profissional de saúde estética passa a ter uma atuação muito mais ampla, ele deixa de ser um “aplicador de cosméticos” e passa a ter importância dentro de um contexto muito maior, atendendo as necessidades de elevar o seu conhecimento ao nível Aisthesis, que significa “faculdade de sentir” ou “compreensão pelos sentidos”. O profissional Aisthesis, portanto, pode ser considerado como um profissional completo da área de saúde estética, que atende aos parâmetros e necessidades surgidas no contexto global desse novo século, sendo justamente aquele que utiliza seus sentidos e conhecimentos para determinar tratamentos personalizados e exclusivos para seus clientes, transformando a ciência e o conhecimento em saúde e beleza a partir de uma visão holística e ampla.

Epigenética e a saúde estética
A abordagem sobre a mudança no perfil do profissional de saúde estética do século XXI esbarra também em um outro conceito que começa a despontar fortemente nesse segmento: a epigenética e a compreensão de como pode ter influência nas síndromes das desarmonias estéticas. Esse novo conceito científico representa uma evolução que leva à avaliação precisa do cliente, resultando em tratamentos estéticos cada vez mais personalizados.

De origem grega, epigenética significa “epi = acima/sobre alo” e “genética = fazer nascer”. É considerada como a ciência que se ocupa dos estudos relacionados à hereditariedade, a partir da análise dos genes e seus produtos, responsáveis pelo fenótipo (conjunto das características que podem ser observadas em uma pessoa, ou seja, físicas, morfológicas ou fisiológicas). Dessa forma, estima-se que fatores ambientais, comportamentais e sociais podem induzir a alterações nesses processos, modificando também a herança celular passada de geração a geração.

Na prática, um exemplo para essa abordagem se dá com a análise do perfil de gêmeos idênticos, também chamados de univitelinos. Embora possuam a mesma constituição genética, com o passar do tempo, percebe-se que estão sujeitos a diferentes modos de vida e, consequentemente, diferentes influências externas que podem interagir química ou fisicamente com o DNA, levando à possibilidade de que esses irmãos se tornem diferentes do ponto de vista epigenético. Nas comparações estéticas entre gêmeos fumantes e não fumantes, alterações como linhas de expressão e rugas costumam ser mais marcantes no que mantém o hábito de fumar.

Ao se buscar uma relação com a saúde estética dentro do amplo conceito em que está inserida a epigenética, pode-se notar que ela se aplica a diversas alterações. Com relação ao envelhecimento, por exemplo, a epigenética direciona a análise que pode determinar uma maior ou menor propensão a desenvolver certas características dessa fase da vida, tendo como um de seus benefícios a possibilidade de oferecer um tratamento estético específico para cada cliente, de acordo com seus hábitos e a influência dos fatores ambientais. Aliando a compreensão de como a epigenética influencia nas síndromes das desarmonias estéticas é que se promove a mudança que elevará o profissional de saúde estética ao seleto grupo que atinge o patamar de exigência do século XXI, tornando-se capaz de encarar o seu cliente como um ser global, sob uma visão holística. Isso leva a um tratamento especialmente direcionado a ele, em que a personalização do atendimento faz com que ele se sinta especial, único, além de proporcionar resultados pontuais e de sucesso.

Com o aprimoramento e avanço da ciência, conceitos como do envelhecimento intrínseco e extrínseco, difundidos desde o século passado, foram revistos, reavaliados e aperfeiçoados, passando a serem abordados sob o ponto de vista de envelhecimento Genético e Epigenético.

                                                            CONCEITO ANTIGO
Envelhecimento Intrínseco
Interno, com o passar do tempo.
X Envelhecimento Extrínseco

Externo, ação da radiação, poluição, etc.

 
                                                             CONCEITO ATUAL
Envelhecimento Genético
Programado a nível celular (DNA)(pré-disposição).
X Envelhecimento Epigenético
Induzido por fatores ambientais e hábitos de vida.(fator determinante).

Para ter realmente um tratamento do envelhecimento com apelo epigenético, é necessário, primeiramente, a realização de um mapeamento completo, com análises objetivas e subjetivas que contemplem informações minuciosas sobre o cliente e seus hábitos de vida, a partir de suas respostas sobre histórico anterior, hábitos, patologias, tratamentos já realizados e outras variáveis, a fim de coletar diferentes informações que, associadas à análise visual física da pele, resultarão e um protocolo eficaz e personalizado.

Portanto, a epigenética, uma disciplina científica que nas duas últimas décadas cresceu muito em número de estudos, e nos últimos dez anos vem se tornando uma das áreas mais promissoras e intrigantes da ciência, complementa e até se sobressai à genética. Com relação aos sinais do tempo, propicia uma correção de sinalizadores que levam ao envelhecimento precoce, e, consequentemente, à busca de um tratamento com combinação cosmética específica para retardar ou até mesmo reverter as ações dessa alteração. Situação para a qual o mercado de cosmetologia já começa a despontar com novidades.

Mais sucesso, segurança e eficácia

Confira algumas dicas para se sobressair no mercado de saúde estética:


– Seja um profissional consciente e dê preferência a produtos especialmente desenvolvidos para tratamentos estéticos, pois além de estarem livres de substâncias perigosas, trazem a dosagem de cada ativo no rótulo, o que garante resultados mais rápidos e seguros. Se você é cliente, exija isso de seu profissional de saúde estética, pois é fundamental para resultados de sucesso e sua satisfação.

– Várias alterações estéticas têm como origem a alteração hormonal, assim é indicado utilizar somente produtos livres de Parabenos, principalmente nos tratamentos de hipercromias, acne e celulite, pois essa substância tem ação estrogênica, o que pode interferir na ação do cosmético.

– Para obter melhores resultados, evite também utilizar produtos com agentes comedogênicos, como o óleo mineral, ou irritativos, como o propilenoglicol.

Referências Bibliográficas:
GARCIA, E. S.  Epigenética: além da seqüência do DNA. Jornal da Ciência e-mail. 2005. Disponível em: <http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=30541>. Acesso em: 09 jan. 2014.
GARCIA, R. O Retorno de Lamark. Jornal da Ciência e-mail. 2007. Disponível em: < http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=52173>. Acesso em: 09 jan. 2014.
MCVITTIE, B. Traduzido por CAVADAS, C. Epigenética. Science in School. 2007. Disponível em:< http://www.scienceinschool.org/2006/issue2/epigenetics/portuguese>.  Acesso em: 09 jan. 2014.
OLIVEIRA JÚNIOR, G.P.; LINS, T.C.L. Utilização da epigenética na ciência forense. s.d. 21 f. Pós-graduação em biociências forenses – Pontifícia Universidade Católica de Goiás.
OSÓRIO, M.R.B.;  ROBINSON, W.M. Genética Humana. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2013.
REICHMANN, H.M.; PRADO, K.B. Epigenética: um novo campo da genética.  Revista Unicenp de Biologia e Saúde, Curitiba, v.1, n.3, p.61-69, set./dez. 2008.
STACEY, K. Herança não-genética pode ser mais frequente que herança pelo DNA. Diário da Saúde. 2009. Disponível em: <http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=heranca-epigenetica-pode-ser-mais-frequente-que-heranca-pelo-dna>.  Acesso em: 09 jan. 2014.
TIRABOSCHI, J. Epigenética: a culpa é dos seus pais. Revista Galileu. 2009. Disponível em: < http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/0,,EDG87034-7943-217,00-EPIGENETICA+A+CULPA+E+DOS+SEUS+PAIS.html>. Acesso em: 09 jan. 2014.
TOLEDO, K. Pioneiro da epigenética fala sobre relação entre ambiente e genoma. FAPESP. 2013. Disponível em: < http://agencia.fapesp.br/16965>  Acesso em: 18 dez. 2013.
VILHENA, M. Mapeamento genético da pele: Dermagenética. Revista Biotec Dermocosméticos, São Paulo, ano 05, n.14, p. 19, 2013.
VILHENA, M. Os genes a favor da saúde da pele. Revista Biotec Dermocosméticos, São Paulo, ano 05, n.15, p. 18-19, 2013.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *