Tonificação de mamas: cuidados especiais para manter a estética e a saúde deste símbolo de feminilidade

Ter as mamas bonitas e tonificadas faz parte de um conceito de beleza feminina que se estende há várias décadas. Na sociedade moderna, esse símbolo de feminilidade fica ainda mais evidente, reforçando o conceito de que quanto mais firmes, belas e volumosas, mais atraentes são. Isso leva as mulheres a uma busca incansável por alcançar os padrões de beleza muitas vezes impostos pela coletividade, situação com a qual, nós profissionais de saúde estética, acabamos nos deparando com frequência em nosso dia a dia. Por isso é importante ter em mente um direcionamento de trabalho que vai além da beleza e que engloba também um atendimento com foco na estética humanizada.

Alteração inestética mamária

Segundo Fandos (2005), são consideradas normais as mamas localizadas na parte superior do corpo, a uma distância de 4 cm abaixo da clavícula, mamilos situados à altura da 4ª costela e borda inferior das mamas chegando até a 6ª cartilagem costal. Entre os componentes que constituem a estrutura da mama estão o tecido adiposo e o tecido conjuntivo. Quando ocorre uma alteração inestética nessa região, caracterizada pelo relaxamento dos meios de sustentação das mamas, deixando-as com aspecto caído, chama-se de ptose mamária. Como resultado, tem-se a descida da mama como principal característica da alteração inestética. Para a avaliação do grau de ptose geralmente toma-se como referência a linha do sulco inframamário.

Graus de ptose

Grau I – Aréola na altura do sulco mamário e acima do contorno da glândula.

Grau II – Aréola abaixo do sulco mamário e acima do contorno da glândula.

Grau III – Aréola abaixo do sulco mamário e do contorno da glândula.

Ptose parcial – Aréola acima do sulco mamário e ptose da glândula.

Pseudoptose – Aréola acima do sulco mamário e pele frouxa por hipoplasia.

As principais causas de ptose de mamas podem ser: falta de uso do sutiã; emagrecimento acelerado; aumento significativo das mamas durante a gravidez; deficiência postural do tipo cifose, ou seja, curvatura acentuada dos ombros à frente, fazendo com que as mamas relaxem e impeçam que os músculos peitorais as sustentem de forma correta; menopausa e também quando a idade diminui e a velocidade de renovação celular origina também uma queda da espessura da epiderme.

Podem ocorrer dois tipos de flacidez: muscular e tissular. A flacidez muscular refere-se à diminuição do tônus muscular, encontrando-se o músculo em estado pouco consistente. Ocorre principalmente por causa da falta de exercícios físicos. Além da vida sedentária ou dos distúrbios na pele, há ainda outro fator que determina a existência ou não de flacidez no corpo: a predisposição genética. Devido à maior propensão genética, alguns indivíduos têm a estrutura da pele alterada, com diminuição ou alteração das fibras de colágeno e elastina. A flacidez propriamente dita (do tipo tissular) é provocada pela perda de elementos do tecido conjuntivo, como fibroblastos, elastina e colágeno. Esta perda faz com que a rede de elementos se torne menos densa, tirando a firmeza entre as células. O problema da flacidez muscular e dos tecidos gera pontos assimétricos, sendo que esses dois tipos de flacidez podem ocorrer isoladamente ou associados.

A intervenção estética busca justamente diminuir os efeitos desse processo natural de envelhecimento e também da epigenética (influência dos hábitos e do meio), fazendo com que haja aumento do tônus da pele e do músculo, além de corrigir a alteração já instalada desse processo de flacidez. Por isso o foco de tratamento deve ser a tonificação, com ativos cosméticos específicos, o que inclui, além de massagem modeladora, a ginástica isométrica e também a associação da nutrição estética, para potencializar os resultados do uso de cosméticos tópicos nesse tipo de flacidez. Aos profissionais de saúde estética cabe realizar um bom prontuário estético a fim de avaliar o tipo e as características da flacidez, direcionando corretamente o tratamento e a atividade coadjuvante, no caso a ginástica isométrica, para se chegar a resultados satisfatórios.

Avaliação

Para a avaliação epitelial, utiliza-se o polegar e o indicador para serem o ponto principal de avaliação, formando um tipo de pinça, por meio do qual se consegue avaliar adequadamente a flacidez tissular, ou seja, a flacidez de pele. A forma de pinçar o tecido é sem abrir o dedo, simplesmente pinçando a pele com a ponta dos dedos, sem fazer movimento de abertura. Nesse momento a cliente deve segurar o seio dela como se fosse a alça do sutiã ou o próprio arco do sutiã segurando o seio. A partir do momento que ela faz isso, a pele fica disposta na forma correta que ela deveria estar, ou seja, na altura correta que o mamilo deveria estar (altura da 4ª costela) caso não houvesse o problema da flacidez. Aí basta pinçar o tecido. Quando observada a facilidade de pinçar a pele, é sinal de tecido com boa qualidade, caso contrário, o tecido já está comprometido pela flacidez.

Já para a avaliação da hipotonia muscular (flacidez de músculo) deve-se solicitar ao cliente que contraia a musculatura da área e, se o músculo se apresentar com mobilidade e o contorno não ficar definido, isso é sinal de flacidez muscular. Se no prontuário estético o cliente informar que é sedentário, só por esse dado já se sabe que as chances dos músculos se apresentarem flácidos é grande.

 Estética Humanizada

A estética humanizada traz um olhar abrangente sobre a relação entre os tratamentos estéticos e a importância de valorizar a autoestima do público atendido. Falar em humanização é colocar o indivíduo como ponto central, valorizando-o como pessoa, por sua essência e por suas particularidades. E, claro, prezando sempre pela qualidade no atendimento, que envolve desde a escolha de produtos seguros e eficazes, adequados à necessidade daquele cliente, bem como a forma de conduzir o procedimento, desde a recepção até a realização do tratamento em si. Estética humanizada é ir além das aparências que a estética mostra, conhecendo cada necessidade e particularidade de quem deseja tratar uma alteração. Isso permite compreender melhor cada caso, direcionando inclusive o tratamento de forma mais assertiva, o que também proporciona resultados mais satisfatórios.

Afinal, as alterações inestéticas geralmente sofrem influência de diferentes fatores, como alimentação inadequada, distúrbios hormonais, alterações fisiológicas, entre outras determinadas pela epigenética, então é de extrema importância que o profissional tenha essa visão global. A palavra “estética” vem do grego “aisthésis”, que significa percepção, sensação, sensibilidade, mostra que o profissional de saúde estética deve utilizar sua percepção e seu conhecimento técnico para transformar a ciência e a informação em saúde e beleza. Além disso, ele passa a ter em suas mãos a responsabilidade de uma atuação muito mais ampla. Ao atender seus clientes, o profissional exerce um papel que vai além do cuidado com a estétrica, ele atua como agente disseminador de informações, alertando e ficando atento a sinais que o cliente possa apresentar.

No tratamento de tonificação de mamas, por exemplo, é possível incluir orientações sobre o autoexame, importante para ajudar a detectar o câncer de mama precocemente. A aplicação do cosmético nessa região remete automaticamente ao autoexame, que todas as mulheres devem fazer regularmente, pelo menos uma vez por mês, observando mais facilmente a ocorrência de quaisquer alterações e sinais de alerta, como a presença de nódulos. Se descoberto precocemente, as chances de cura aumentam. No Brasil, as taxas de mortalidade por esse tipo de câncer se dão principalmente pelo diagnóstico tardio.

De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de mama é o mais comum em mulheres e corresponde a cerca de 22% dos novos casos a cada ano no mundo. Os principais fatores de risco estão ligados à idade, exposição ao processo de industrialização – agentes químicos, físicos e biológicos, obesidade, idade precoce da menarca e tardia da menopausa, aspectos endócrinos e genéticos, sendo que os aspectos endócrinos estão relacionados principalmente ao estímulo estrogênico, seja endógeno ou exógeno, com aumento de risco quanto maior for o tempo de exposição.

Ao profissional de saúde estética cabe compreender e exercer o respeito à vida. Por isso deve atuar com segurança, cuidado que começa já na escolha dos cosméticos a partir de suas composições e não apenas da marca mais famosa, que muitas vezes traz substâncias nocivas que trabalham contra os resultados desejados. Pensando nisso deve-se buscar produtos com bases seguras, compatíveis com a pele, ricas em ômegas 3, 6, 7 e 9, e que melhorem a permeação dos ativos. Os cosméticos devem ser livres de xenobióticos (substâncias nocivas, irritantes e sensibilizantes), como o óleo mineral, parafina, propilenoglicol, fragrâncias artificiais, conservantes parabenos e liberadores de formol, como o DMDM Hidantoin e Imidazolidinil Urea.

Os parabenos são um exemplo de substância utilizada em cosméticos mas que apresentam características estrogênicas, ou seja, agem no organismo como se fossem o estrogênio, um hormônio feminino. Estudos mostram que, ao serem aplicados na pele, podem ser absorvidos, provocando desregulação endócrina. Por isso, um dos objetivos do Programa Nacional de Controle do Câncer de Mama é o de reduzir a exposição a fatores de risco. Já que o mundo evoluiu e apareceram outras opções mais seguras, não há mesmo razões para insistir nessa matéria-prima. É preciso ir além. O objetivo é a segurança do consumidor e a maior permeação e efetividade dos ativos, fazendo assim com que haja maior preocupação e colaboração para a estética humanizada.

Cosmetologia aplicada à tonificação de mamas

DMAE: Composto precursor da acetilcolina que exerce efeito tensor na pele e aumento da contractilidade e adesão celular. Possui ação antioxidante, hidratante e anti-inflamatória. Proporciona elasticidade, firmeza e tonicidade, tratando estrias e flacidez. Melhora a firmeza e contorno do abdômen, glúteos, parte interna das coxas e parte posterior dos braços.

Raffermine: Revitaliza a matriz extracelular por estimular a síntese de colágeno I, fibrilina-1 e glicosaminoglicanas (envolvidas na hidratação e na plasticidade da pele). Aumenta a elasticidade do tecido, prevenindo ou corrigindo as rugas, estrias e flacidez. Previne a degradação das fibras colágenas e de elastina.

Nutripeptídeos: Renovam o metabolismo celular, estimulam a proliferação de fibroblastos e reforçam as células de defesa, ativando a síntese das fibras colágenas.

Exsy-ARL: Ação antipoluição, antiglicante e efeito detox. Mantem a integridade das fibras colágenas, melhora o sistema de defesa da pele e aumenta a capacidade regeneradora das membranas celulares.

Óleo Vegetal: Forma filme protetor permitindo maior retenção hídrica, diminuindo a perda de água por evaporação transepidérmica e melhorando a permeabilidade cutânea. Proporciona toque sedoso e macio, previne o ressecamento, auxilia no restabelecimento da hidratação, normalizando e reforçando a estrutura do manto hidrolipídico.

Dragosine: Peptídeo antiglicante de última geração, possui a capacidade de se ligar a fibras de colágeno envelhecidas que sofreram processo de glicação e perderam a função, sinalizando ao organismo a necessidade de sua renovação, estimulando a proliferação de fibroblastos com consequente aumento de produção de colágeno e demais proteínas estruturais, tratando a flacidez.

Pró TG3: Complexo de ativos (Ômegas 3, 6 e 9, Vitamina C e E) com ação firmadora, antioxidante e anti-inflamatória. Promove hidratação profunda e redução de perda transepidermal de água (TEWL).

Vederine: Ativo inovador (Vitamina D Like), atua restaurando as funções dos receptores da Vitamina D lesados pelo processo de envelhecimento.

Argila Lifting Corporal (Silicato de Alumínio, Pectina e Ovo Atomizado): Ação esfoliante, drenante, desintoxicante e efeito tensor.

Colágeno Hidrolisado (nutricosmético): Para tratamento “in”, associado à aplicação tópica de ativos cosméticos. Melhor absorvido quando na versão líquida, atua no tratamento de flacidez tissular e envelhecimento precoce.

Colágeno Marinho: Hidratante e proteína firmadora da pele. Devido à capacidade formadora de filme e hidratante, promove uma atmosfera de hidratação ideal, potencializando o metabolismo epidérmico.

Extrato de Algas Marinhas (Fucus vesiculosus): Estimulante metabólico, tonificante, ativador da microcirculação.

Extrato de Aloe Vera: Ação antisséptica e anti-inflamatória. Dermoprotetor, hidratante e suavizante.

Extrato de Aveia: Fonte de aminoácidos constituintes do NMF, promovendo ação hidratante e amaciante.

Lipossomas de Coenzima Q10: Libera o ativo nas camadas mais profundas da epiderme e previne o envelhecimento prematuro. Também conhecida como ubiquinona, protege contra o alto nível de atividade dos radicias livres e ajuda a elevar os níveis de outros antioxidantes, como as vitaminas C e E.

Sugestão de tratamento

O protocolo a seguir constitui uma tarefa compartilhada entre a cliente e o profissional de saúde estética. É importante lembrar que o sucesso do tratamento depende também da manutenção diária com ativos direcionados às principais alterações que afetam as mamas (flacidez e envelhecimento da pele).

 

PROTOCOLO – TONIFICAÇÃO DE MAMAS

 HIGIENIZAÇÃO

  1. Fazer a antissepsia das mãos do profissional e das axilas e região ao redor da mama onde será realizado o tratamento, com higienizante à base de clorhexidine e sem álcool.
  2. Higienizar o local a ser trabalhado com Sabonete Líquido.

  1. Fazer esfoliação com Peeling de ação mecânica cosmética nas regiões a serem tratadas e massageá-las com movimentos suaves e circulares até o produto formar grumos (rollings), secar e sair totalmente. Retirar os resíduos do produto com bandaletes úmidas ou lenços umedecidos. Realizar no começo do tratamento e toda vez que se fizer necessário, segundo avaliação do profissional.
  2. Normalizar o pH da pele com loção tônica.

 TRATAMENTO

  1. Realizar massagem modeladora de mamas com creme que contenha ativos de tonificação, até total absorção.

A cliente deve estar com os braços elevados e a maca semi-inclinada (de 15 a 20 graus).

– Circular os dois seios juntos, para espalhar o creme.


– Fazer movimento em “X” de seios a ombro, depois de ombro a ombro.

– Promover deslizamento profundo na lateral do seio, seguido de amassamento em “S” para redução de gordura localizada em região axilar.

– Deslizamento pelo músculo platisma, suavemente, e tapinhas abaixo do mento.

– Realizar movimento de deslizamento no seio da lateral para o centro e de baixo para cima, para tonificação do mesmo. Em seguida, deslizamento em forma de leque nas duas mamas juntas.

Movimentos para tonificação dos seios

– Pinçar o músculo peitoral e fazer rolamento do mesmo com pressão forte.

– Deslizamento em “V”, do cotovelo até a axila, com pressão forte.

– Amassamento em “S” pela parte interna do braço.

  1. Diluir 1 colher (sopa) da Argila Corporal de efeito lifting em 10 ml de água termal e aplicar nas regiões de tratamento (de cima para baixo, circulando ao redor dos mamilos e do cotovelo em direção à axila) e deixar agir por 40 minutos.

  1. Remover a argila para continuar o tratamento. Umedecer a argila em um produto hidratante com bases livres de xenobióticos e rica em óleos vegetais, promovendo uma emulsificação.

FINALIZAÇÃO

  1. Finalizar com massagem aplicando movimentos específicos nos locais de flacidez, com cosmético com ativos de tonificação da pele.
  2. MANUTENÇÃO DO CLIENTE: creme com a mesma base de tratamento em cabine e nutricosmético de colágeno líquido hidrolisado (10g por dia).

RESULTADO DO TRATAMENTO – uma sessão

                             Antes                                                                            Depois    

         

FREQUÊNCIA DE TRATAMENTO

2 sessões na semana, até obter resultado desejado, no mínimo 10 sessões.

Repetir 1 vez a cada 15 dias para manter o resultado.

DICAS

A maca deve estar inclinada entre 30º a 45° e a cliente com os braços elevados atrás da cabeça. Iniciar a pincelada na axila, contornando a mama de baixo para cima.

A melhor forma de retirar a argila é umedecê-la com uma loção hidratante, realizando movimentos circulares, retirar o excesso com espátula descartável,  finalizando com bandaletes úmidas ou lenços umedecidos.

Ensinar e auxiliar a cliente a fazer a ginástica isométrica para fortalecer o grupo muscular local e repetir em casa para manutenção.

 Sequência da ginástica isométrica para mamas

  1. Esticar os braços na altura do busto, ângulo de 90º, e forçar para abrir os braços, segurar nos pulsos oferecendo oposição ao movimento. Fazendo o mesmo movimento, mas com a palma das mãos para fora, forçará mais os tríceps. Ainda na mesma posição, forçar tentando encostar uma mão na outra. Fechar as mãos serrando os punhos.
  2. Colocar as mãos no ombro, dobrando os braços, e forçá-los para contra a maca, tentando encostar os cotovelos na maca na altura da cintura. Em seguida fechar os braços (com as mãos fechadas, como se estivesse rezando) e fazer três movimentos, as mãos viradas para dentro, para cima e para fora, sempre fazendo compressão contrária.

 

Isabel Piatti – Especialista em Estética e Cosmetologia, embaixadora do CIA – Centro e Instituto Internacional de Aprimoramento e Pesquisas Científicas, Membro do Conselho Científico da Academia Brasileira de Estética Científica – ABEC. Profissional Aisthesis. Pós-Graduanda em Exercício Físico da Mulher. Tecnóloga em Estética e Imagem Pessoal. Técnica em Estética. Especialização em Escolas de Estética e Terapias Alternativas na Europa (Facial, Corporal e Bem-Estar). Palestrante no VI Congresso Mundial de Medicina Estética da IAAM/ASIME. Palestrante em Congressos da área da Saúde Estética Nacionais e Mundiais. Consultora técnica de revistas e sites da área de Beleza e Estética. Autora dos Livros “Biossegurança Estética & Imagem Pessoal – Formalização do Estabelecimento, Exigências da Vigilância Sanitária em Biossegurança”, “Gestantes: Cuidados Estéticos Durante a Gravidez” e “Estética Teen”.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

– PAES, A.B; HUGEN, A.P.V; ROSAS, R.F. Efeitos da corrente russa no tratamento de fibro edema gelóide na região glútea. Universidade do Sul de Santa Catarina.

– RIBEIRO, C. Cosmetologia Aplicada a Dermoestética. 2ª ed. São Paulo: Pharmabooks, 2010.

– MAIO, M. Tratado de Medicina estética. 2ª ed. São Paulo: Roca. 2011.

– FANDOS, Dr. Luis S. Alta-cosmética I e II, Fundamentos de cosmética. 1º ed., Buenos Aires, 2005.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *